Skip to content

Perseguida – Capítulo 2

by on 09/11/2012

Mistério. Sarah nunca havia depositado muita confiança em uma pessoa, até sua família deixava a desejar nesse quesito.

Quando pequena era uma garota bem introvertida. Embora tenha aprendido a falar, não falava. Embora tenha aprendido a andar, preferia ficar em seu berço, sozinha, quieta, nem um ruído sequer, nem mesmo estática era ouvido através de sua babá eletrônica.

Porém isso não era um empecilho ao ver de seus pais, que aproveitavam a paz e tranquilidade para transar feito dois adolescentes com hormônios à flor da pele. Sarah era considerada um acidente, um obstáculo na vida inconsequente e pervertida de seus progenitores.

A maior parte de sua vida foi criada por sua avó paterna, que havia perdido seu marido pouco tempo antes de Sarah nascer. Dona Clotilde precisava de um receptáculo onde depositar seu amor e carinho.

Clotilde ensinou à Sarah como ser uma boa pessoa ou pelo menos uma pessoa neutra.

Contudo quando Sarah completou dez anos, sua avó faleceu. No enterro só a bela neta se fazia presente, pobre Dona Clotilde, não tinha mais familiares.

Todas essas provas da vida fizeram com que a criança se tornasse adulta por dentro. Voltando a morar com seus pais, se tornou uma rebelde ao ponto de vista deles. Ela discordava de muitos dos atos de seus responsáveis, ao menos eles já não transavam com muita frequência.

Eis que agora Sarah já era adulta de corpo, assim como sempre fora de mente.

No meio de tantas brigas e guerras psicológicas dentro daquilo que as pessoas se atrevem a chamar de lar, existia também, correndo em paralelo, sua vida escolar.

Em se tratando de comportamento escolar, Sarah sempre foi a garota estranha no fundo da sala, com poucos amigos. Muitos de seus colegas de classe nunca ouviram sua voz. Algumas vezes entrava em brigas, mas nunca se justificava, apenas assumia a culpa.

Contra a lógica dos fatos, era apenas uma aluna mediana. Não fazia perguntas durante a aula, porém nas provas sempre tirava dois ou três pontos acima da média exigida pelo sistema de sua escola antiga.

Tudo isso era passado, esquecido e preso em sua escola de nível fundamental antiga. Com a matrícula em uma outra escola, a Escola de Ensino Médio Bill Clinton, começa uma nova oportunidade. Eram pessoas desconhecidas, Sarah poderia ser qualquer pessoa que ela quisesse.

Seu pai se recusava a comprar os materiais e uniformes, mas a garota era insistente:

-Nem é tão caro assim, não percebe que eu consegui uma vaga numa escola boa?!

-Por que você quer tanto estudar, já tem quinze anos, poderia muito bem trabalhar para me ajudar.

-Para você gastar em putaria? Não!

-Se eu comprar essas merdas, você vai embora mais rápido?

-Ir embora é o que eu mais quero!

-Pois bem então!

O primeiro dia havia chegado, era uma manhã fria. Com a cabeça completamente vazia de pensamentos, Sarah parte para a escola.

Chegando lá, se deparou com vários tipos de pessoas. Muitos esteriótipos: patricinhas, roqueiros, hipsters etc etc

Como todo primeiro dia, foi um silêncio, professores se apresentaram e só.

E logo na saída vem esse cara convidando-a para seguir-lhe. Enfim ela foi.

Os dois sumiram dentro do canavial.

From → Perseguida, Textos

Leave a Comment

Comente

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: